terça-feira, 8 de maio de 2007

A PROSTITUTA DE APOCALIPSE












A prostituta do livro de Apocalipse é identificada nas profecias do velho testamento como a infidelidade do povo de Israel, a qual foi comparada a uma prostituta. “A cidade de Jerusalém era fiel a Deus, mas agora está agindo como uma prostituta”. (Isaias 1:21). “Todos os seus ídolos farei uma assolação; porque pelo salário de prostituta os ajuntou, e em salário de prostituta se tornarão.” (Miquéias, 1:7).

“Vocês praticam imoralidade na adoração aos deuses” (Jeremias 2:20). “Eu me divorciei de Israel porque ele me abandonou e virou prostituta, mas Judá, ela também virou prostituta, ela cometeu adultério, adorando pedras e arvores.” (Jeremias 3:8 e 9). “Você correu atrás dos Assírios, você foi prostituta deles, você serviu de prostituta dos Babilônicos, você fez tudo isto como uma prostituta sem vergonha.” (Ezequiel, 16: 28-30). “Profanaram meu templo, e quebraram o Sábado que eu havia mandado guardar.” (Ezequiel, 23:38).

O escritor do livro de Apocalipse, era um profundo conhecedor das profecias e dos escritos proféticos do velho testamento. Nos textos acima citados, podemos observar a figura de prostitutas para representar a apostasia de Israel na adoração dos ídolos (deuses) das nações vizinhas...

No capítulo 14 do Apocalipse, o primeiro anjo é seguido por um segundo anjo que proclama: "Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição." (Apoc. 14:8). O termo "Babilônia" é derivado de "Babel" e significa confusão. É empregado nas Escrituras para designar as várias formas de religião falsa ou apóstata. Em Apocalipse capítulo 17, Babilônia é representada por uma mulher, figura que a Bíblia usa como símbolo de igreja, sendo uma mulher virtuosa a igreja pura, e uma mulher desprezível, a igreja apóstata.

Nas Escrituras, o caráter sagrado e permanente da relação entre Cristo e Sua igreja é representado pela união matrimonial. O Senhor uniu a Si o Seu povo, por meio de um concerto solene, prometendo-lhe ser seu Deus, enquanto o povo se comprometia a ser unicamente dele. Disse o Senhor: "E desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias." (Osé. 2:19). E em outro lugar: "Eu vos desposarei." (Jer. 3:14). E Paulo emprega a mesma figura no Novo Testamento, quando diz: "Porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, Cristo." (II Cor. 11:2).

A infidelidade da igreja para com Cristo, permitindo que sua confiança e afeição dele se desviem, e consentindo que o amor às coisas mundanas ocupe a alma é comparada com a violação do voto conjugal. O pecado de Israel, afastando-se do Senhor, é apresentado sob esta figura; e o maravilhoso amor de Deus, que assim desprezam é descrito de maneira tocante em alguns trechos: "Dei-te juramento, e entrei em concerto contigo, diz o Senhor Jeová, e tu ficaste sendo Minha." "E foste formosa em extremo, e foste próspera, até chegares a ser rainha. E correu a tua fama entre as nações, por causa da tua formosura, pois era perfeita, por causa da Minha glória que Eu tinha posto sobre ti. Mas confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama." "Como a mulher que se aparta do seu companheiro, assim tu fizeste comigo, ó casa de Israel, diz o Senhor. "Como a mulher adúltera que, em lugar de seu marido, recebe os estranhos." (Ezequiel. 16:8, 13-15 e 32; Jer. 3:20. Grande Conflito Pág. 382).

No Novo Testamento, expressão muito semelhante é dirigida aos professos cristãos que buscam a amizade do mundo, em lugar da amizade e amor de Deus.

Diz o apóstolo Tiago: ”Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tiago 4:4)

A mulher de Apocalipse 17 é descrita como “vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia; e na sua testa estava escrito o nome: mistério, a grande Babilônia, a mãe das prostituições”. Diz o profeta: "Vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus." (Apocalipse 17:6.) .Declara ainda ser Babilônia "a grande cidade que reina sobre os reis da terra". “Os reis da terra e os que habitam sobre a terra se embriagaram com o vinho da sua prostituição”. (Apocalipse, 17:2). “E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”. (Apocalipse, 17:18). “O poder que por tantos séculos manteve despótico domínio sobre os monarcas da cristandade é Roma. A mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas; e tinha na mão um cálice de ouro, cheio das abominações, e da imundícia da sua prostituição”. (Apocalipse, 17:4).

A cor púrpura e escarlata, o ouro, as pérolas e pedras preciosas pintam ao vivo a magnificência e extraordinária pompa ostentadas pela altiva Sé de Roma. E de nenhuma outra potência se poderia, com tanto acerto, declarar que está "embriagada do sangue dos santos", como daquela igreja que tão cruelmente tem perseguido os seguidores de Cristo.

No livro 30 Papas, pág.199–217, há descrição dos massacres de protestantes e judeus, em todo mundo pela inquisição da santa sé, mas principalmente na Europa, do ano 1534 – 1585. Os reformadores do período de Martinho Lutero e Calvino, eram cassados e mortos pela inquisição da santa sé de Roma. O sanguinário Inácio de Loyola dizimou milhares de vidas. O dia de São Bartolomeu, foram mortas cerca de cinquenta mil protestantes. Estas pessoas eram mortas através das mais diversas formas de tortura.

Babilônia é também acusada do pecado de relação ilícita com "os reis da Terra". Isto é um fato pela Sé Romana. Foi pelo afastamento do Senhor e aliança com os gentios que a igreja judaica se tornou prostituta; e Roma, corrompendo-se de modo semelhante ao procurar o apoio dos poderes do mundo, recebe condenação idêntica. Em toda a história da Igreja de Roma encontramos a sua ligação com os Reis da terra, mas principalmente no período da inquisição, porém até os dias de hoje este fato é uma realidade.

Declara-se que Babilônia é "mãe de todas as prostitutas”. No livro de apocalipse 17:5 é descrito dessa forma: “’Babilônia’ a mãe das prostituições e das abominações da terra: como suas filhas devem ser simbolizadas as igrejas que se apegam às suas doutrinas e tradições, seguindo-lhe o exemplo em sacrificar a verdade e a aprovação de Deus, a fim de estabelecer uma aliança ilícita como mundo.” O Grande Conflito Pág. 383

A mensagem de Apocalipse 14, anunciando a queda de Babilônia, deve aplicar-se às organizações religiosas que se corromperam. Visto que esta mensagem se segue à advertência acerca do juízo, deve ser proclamada nos últimos dias; portanto, não se refere apenas à Igreja de Roma, pois que esta igreja tem estado em condição decaída há muitos séculos. Demais, no capítulo 18 vr.4 do Apocalipse, o povo de Deus é convidado a sair de Babilônia. De acordo com esta passagem, muitos do povo de Deus ainda devem estar em Babilônia.
E em que corporações religiosas se encontrará hoje a maior parte dos seguidores de Cristo? Sem dúvida, nas várias igrejas que professam a fé protestante. Estas Igrejas já fizeram parte da esposa de JESUS, caíram, porém, pelo mesmo desejo que foi a maldição e ruína de Israel, o desejo de imitar as práticas dos ímpios e buscar-lhes a amizade. "Confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama." (Ezeq. 16:15).
Muitas das igrejas protestantes estão seguindo o exemplo de Roma na iníqua aliança com “Reis da Terra". E outras denominações, pela procura do favor do mundo. O termo "Babilônia" – confusão, pode apropriadamente aplicar-se a estas corporações; todas professam derivar suas doutrinas da Escritura Sagrada, e, no entanto, estão divididas em inúmeras seitas, com credos e teorias grandemente contraditórios umas as outras