quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O CONFLITO UNIVERSAL

Foi difícil desarraigar Satanás da afeição dos anjos do Céu. Ele assumira a posição de que a lei de Deus estava contra os seres celestiais, e a guerra e o conflito entre Cristo e Satanás começou no Céu e prossegue na Terra até ao dia de hoje. O conflito entre Cristo e Satanás foi testemunhado não só pelos seres celestiais, mas por todos os mundos que Deus criara. Aqui surge o poder que alega ter o direito de mudar os tempos e a lei - é o homem do pecado. Mas tem ele o poder de mudar os tempos e as leis? Não; porque a lei de Deus está escrita em tábuas de pedra, gravada por Seu próprio dedo, e colocada no santuário de Deus no Céu. O grande padrão moral será o critério que julgará todo ser sobre a face da Terra, tanto os mortos quanto os vivos.
Cristo foi ao deserto da tentação para suportar as mais severas tentações; foi tentado em todos os pontos assim como Adão, e passou pelo terreno onde Adão tropeçou e caiu. ... Cristo devia agora colocar-Se onde Adão estivera, revestido da humanidade e vencendo em favor da raça humana, onde Adão caíra. E Cristo suportou a prova em cada ponto; resistiu no aspecto do apetite. ... Foi tentado no ponto da ambição, da presunção, e venceu o inimigo nesses pontos. ... O Salvador do mundo venceu e obteve a vitória em cada ponto.

Com que intenso interesse foi esse conflito acompanhado pelos anjos celestiais e os mundos não caídos, enquanto a honra da lei estava sendo vindicada! Não só para este mundo, mas para o universo celeste e os mundos que Deus criara, devia o conflito ser decidido para sempre. A confederação das trevas aguardava um indício de oportunidade para erguer-se e triunfar sobre o divino-humano Substituto e Segurança da raça humana, para que o apóstata pudesse bradar: "Vitória", e o mundo e seus habitantes se tornassem para sempre o seu reino. Mas Satanás atingiu somente o calcanhar; não pôde alcançar a cabeça. Agora ele vê que seu verdadeiro caráter é claramente revelado perante todo o Céu, e que os seres celestiais e os mundos que Deus criara se colocariam totalmente ao lado de Deus. Vê que seriam inteiramente eliminadas as suas perspectivas de influência futura entre eles. A humanidade de Cristo demonstraria pelas eras eternas a questão que selou o conflito. ...

Herodes e as ímpias autoridades mataram o Justo, mas Cristo nunca matou ninguém, e podemos atribuir o espírito de perseguição - porque as pessoas desejam liberdade de consciência - a seu originador, Satanás. Ele é enganador, mentiroso, homicida e acusador dos irmãos e irmãs. Gosta de ver a desgraça humana. Exulta com a aflição, e ao vermos as cruéis perseguições daqueles que desejavam obedecer a Deus segundo os ditames de sua própria consciência, podemos saber que esse é o mistério da iniqüidade. Disse o Senhor a Satanás, a velha serpente: "Este [a Semente da mulher] te ferirá a cabeça, e tu Lhe ferirás o calcanhar." Gên. 3:15. Cristo de um modo especial feriu a cabeça da serpente, mas a profecia tem longo alcance. É a declaração de um incessante conflito entre Cristo e Seus seguidores e Satanás e seus anjos e instrumentos humanos sobre a Terra, até o fim do tempo.

Aquele que conquistara o poder sobre a morte, saiu do sepulcro triunfante e proclamou: "Eu sou a ressurreição e a vida." João 11:25. A hoste de anjos curvou-se em reverente adoração diante do Redentor e o receberam com cânticos de louvor.

Satanás irou-se grandemente porque seus anjos fugiram à aproximação dos mensageiros celestiais. Ele ousara acalentar a esperança de que Cristo não tornaria à vida e que o plano da salvação fracassaria. Mas quando viu o Salvador sair do túmulo triunfante, perdeu completamente a esperança. Sabia que seu reino teria fim e que finalmente seria destruído.

Quando surgem dificuldades em qualquer ramo da causa - e certamente surgirão, pois a igreja militante não é a igreja triunfante - todo o Céu olha para ver qual será o rumo tomado por aqueles a quem se confiaram sagradas responsabilidades. Alguns tropeçarão; alguns darão ouvidos a espíritos sedutores; alguns escolherão as trevas e não a luz, porque não são leais a Deus. Assim como seu Mestre, aqueles que habitam em Cristo não falharão nem desanimarão. ...

Fontes de Pesquisas
Manuscrito 11, 1886.
Cristo Triunfante, p. 122 , 215 , 242 , 321
Vida de Jesus, p. 156