quinta-feira, 29 de outubro de 2009

JULGADO NA CRUZ

Satanás treme ao contemplar sua obra. Ele está sozinho, meditando sobre o passado, o presente e o futuro de seus planos. Sua poderosa estrutura vacila como numa tempestade. Um anjo do Céu está passando. Ele o chama e suplica uma entrevista com Cristo. Isto lhe é concedido. Então, relata ao Filho de Deus que está arrependido de sua rebelião e deseja voltar ao favor divino. Está disposto a tomar o lugar que previamente Deus lhe designara e sujeitar-se a Seu sábio comando. Cristo chorou ante o infortúnio de Satanás mas disse-lhe, como pensamento de Deus, que ele jamais poderia ser recebido no Céu. O Céu não devia ser colocado em perigo. Se fosse recebido de volta, todo o Céu seria manchado pelo pecado e rebelião originados com ele. As sementes da rebelião ainda estavam nele. Não tivera, em sua rebelião, nenhum motivo para seu procedimento, e arruinara irremediavelmente não só a si mesmo mas a multidão de anjos, que teria sido feliz no Céu, tivesse ele permanecido firme. A lei de Deus podia condenar mas não podia perdoar.

Ele não se arrependeu de sua rebelião porque visse a bondade de Deus, da qual havia abusado. Não era possível que seu amor por Deus tivesse aumentado tanto desde a queda, que o levasse a uma alegre submissão e feliz obediência à Sua lei, por ele desprezada. A desgraça que experimentara em perder a doce luz do Céu, o senso de culpa que o oprimia, o desapontamento que sentiu em não ver realizadas suas esperanças, foram a causa de sua dor. Ser comandante fora do Céu era vastamente diferente de ser assim honrado no Céu. A perda que sofreu de todos os privilégios celestiais parecia demais para suportar. Desejava recuperá-los.
História da redenção, pág. 27.

Não havia arrependimento em Lúcifer, ele queria ser reintegrado ao posto que perdera com sua rebelião contra a lei de Deus. Se houvesse arrependimento em Satanás, ele teria dito como o filho pródigo, “ já não sou digno de ser chamado de teu filho, faça-me como um de teus servos” Mas lúcifer pediu para ser reintegrado ao posto que outrora foi seu, estar ao lado do trono de Deus, com a mesma natureza de rebelião que o fez perder aquele lugar de honra....
Por isso Jesus chorou por ver que não havia nele arrependimento, mas uma estratégia para voltar para o céu, e continuar sua rebelião. A semente da rebelião ainda estava com ele...

Muitos confunde está narrativa do livro História da Redenção, como satanás tendo sido julgado e condenado por Jesus naquele momento...a expressão com pensamento de Deus, indica que Jesus compreendeu que nele não havia arrependimento e chorou de pena pelo que viu como Deus.

Na verdade satanás foi Julgado e condenado na Cruz. Isto esta bem claro no livro de hebreus, 2:14. Veja o que esta escrito no livro Profetas e Reis, pág. 701
“No deserto da tentação, no jardim de Getsêmani e sobre a cruz, nosso Salvador mediu armas com o príncipe das trevas. Suas feridas tornaram-se troféus de Sua vitória em favor da raça humana. Quando Cristo pendia agonizante da cruz, enquanto os espíritos do mal jubilavam, e homens ímpios injuriavam, Seu calcanhar estava então sendo ferido por Satanás. Mas por esse próprio ato estava esmagando a cabeça da serpente. Hebreus. 2:14. Para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo,". este ato decidiu o destino do chefe rebelde, e tornou para sempre firme o plano de salvação.”

Satanás é Derrotado Pela Morte de Cristo na Cruz.....
Nesta preferência os princípios de Satanás tornaram-se manifestos; e os exércitos do Céu, e todos os mundos que Deus criara, julgaram que Satanás era acusador dos irmãos, mentiroso e homicida. No Céu e entre os mundos não caídos, liquidou-se a questão quanto ao poder enganador de Satanás e seus princípios malignos, e provou-se de uma vez para sempre a perfeita pureza e santidade de Cristo, que sofria a prova e aflição em favor do homem caído. Mediante o desdobramento do caráter e princípios de Satanás, foi ele para sempre desarraigado das afeições dos mundos não caídos, e a controvérsia acerca de suas pretensões e das reivindicações de Cristo ficou para sempre assentada no Céu. A justiça manifestada no caráter de Cristo seria para sempre a âncora, a salvadora esperança do mundo. Toda alma que prefere a Cristo pode, com fé, dizer: "O Senhor justiça minha."
Mensagens Escolhidas vol. 1 pág. 348

QUE ASSIM SEJA AMEM.....