sábado, 28 de abril de 2007

REFUGIO E PROTEÇÃO

MEDITAÇÃO





MEDITAÇÃO
Eu, porém, cantarei a Tua força; pela manhã louvarei com alegria a Tua misericórdia, pois Tu me tens sido alto refúgio e proteção no dia da minha angústia. Sal. 59:16.

Muitas vezes Davi viu a sua vida ameaçada. Muitas vezes viveu circunstâncias nas quais sentia que tinha chegado ao fim. Do ponto de vista humano, não havia solução. Esta era uma dessas circunstâncias.

A noite estava escura. Do lado de fora, os guardas, como cães raivosos, vigiavam atentamente a casa de Davi. A ordem de Saul era: “Não o deixem fugir. Amanhã, eu mesmo o executarei” (I Sam. 19:11).“Então, Mical desceu Davi por uma janela; e ele se foi, fugiu.” I Sam. 19:12. Você pode imaginar a ira de Saul, ao descobrir que a presa havia fugido?
Lendo a história, como é narrada, você chegaria à conclusão de que a fuga do salmista foi o resultado da esperteza de sua esposa, Mical. Assim são os seres humanos. Tão logo saímos de uma circunstância difícil, pensamos: “Que sorte eu tive.” “Ainda bem.” “Foi por pouco.” Instintivamente, damos o crédito do livramento às pessoas, circunstâncias ou coisas.
Davi fez diferente. Ele disse: “Cantarei a Tua força.” Ele está se referindo à força divina. Aquele amanhecer poderia ter sido o mais trágico de sua existência. Quando a luz do novo dia despontasse no horizonte, ele poderia estar morto. No entanto, estava vivo e longe da fúria dos seus inimigos. Por isso, acrescentou: “Pela manhã louvarei com alegria a Tua misericórdia.” Sal. 59:16.
Cada amanhecer é um presente da misericórdia divina. A noite pode ter sido escura e tenebrosa, cheia de perigos e violência. Mas o sol sempre sai, trazendo alegria, esperança e a perspectiva de uma nova oportunidade.

“Tu me tens sido alto refúgio”, agradece o salmista. Sua experiência é pessoal. O sol de um novo dia pode sair para o mundo. Mas a pergunta é: saiu para você? É Deus seu refúgio, sua fortaleza, no dia de sua angústia?

Só um Deus pessoal pode resolver o drama que você vive e que ninguém compreende. Isso é sair do convencionalismo, da rotina e da monotonia e entrar na dimensão da intimidade com o seu Deus.


BULLÓN, Alejandro. Janelas para a vida. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2007